Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Mirins:
Respeito ao Gaúcho, de Francisco Castilhos e Albino Manique

 

27/06/2012 11:10:27
VIOLÃO
............................................................................

 

 

 

Alambrado de seis cordas,
lá num canto do galpão,
que toda a noite acompanha
o meu pobre coração;
com acordes dissonantes
traz as estrelas pra o chão,
traz lembranças e saudades,
amor antigo e paixão.
Meu velho violão surrado,
sempre tem acompanhado
as mágoas deste peão.

Quando grita o quero-quero
parece que ele acompanha,
eu penso que ele conhece
todo o viver da campanha;
faz rebrotar saudades
de amores e façanhas.
Parceiro de tantos anos
da velha guampa de canha;
cada vez que me vê triste
violão velho não resiste,
se mete na briga e ganha.

Se ouve a voz do patrão,
fica quietinho e escuta;
parece que ele entende
as ordens sobre a labuta.
É o clarim do galpão,
que minha solidão desfruta.
Contra meus desenganos,
parceiro, é só tu quem luta;
com meus ollhos rasos d'água,
tu tentas espantar as mágoas
desta minha vida tão bruta.

Este velho peão de campo,
que enfrentou tantos perigos,
hoje encontra lenitivo
nos acordes desse amigo;
no som das cordas desfiadas
meu coraçao tem abrigo.
Meu alambrado de cordas,
a quem escuta eu digo:
quando a morte me pealar,
na hora de me enterrar
te enterrem junto comigo!

............................................................................
  Autor: Edson Casagrande
Poesia enviada Por: Edson Casagrande - Viamão / RS
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document