Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Farrapos:
Passo do Bugio

 

15/08/2006 16:49:53
COCHO DE CABRIÚVA
............................................................................

Antonio Francisco de Paula

 

Quatro metros de comprido,

Forjado à talhadeira,

Rude peça campeira

De puro cerne maciço

Do tronco grosso e roliço

De cabriúva vermelha.

Esquecido, sem serventia,

Vive hoje abandonado,

Lá num canto encostado,

No fundo de uma cocheira,

Meio gasto e carcomido

E carunchado nas beiras.

 

Eu comparo esse cocho

A um índio gaudério moço,

Que, à procura de retoço,

Nunca tinha paradeiro,

A lo bruto e mui largado

Pelas invernadas e potreiros.

Solitário nas campanhas,

Estendido no capinzal,

Feito palco teatral

Das tropilhas abagualadas,

Das procissões de boiadas

Que vinham lamber o sal.

 

No teu costado se formava,

Quando se reuniam os bichos,

Os maiores dos bochinchos

Que este peão já presenciou,

Entre guampaços, berros e relinchos,

Num fundão de corredor.

No meio dos entreveros

Foste lambido e beijado

Por boca funda de aporreados,

Haraganos caborteiros,

Por touros, vacas e terneiros,

No arredor dos alambrados.

 

Na fazenda Caramuru,

Entre a restinga e a canhada,

De longe se ouvia a zoada

Dos crinudos teatinos,

Onde grão de milho saía tinindo

Que nem bala da burrada.

Nas noites frias de geadas,

Atirado ao relento,

Foste cama e aposento

Pros chirus ventas rasgadas,

Que cavalgavam nas madrugadas

Farejando baile no vento.

 

Foste campeado nos pastos

Por mascates e carroceiros,

Pelos antigos tropeiros

Que vinham atrás de um punhado

Do sal posto pro gado,

Pra temperar o carreteiro.

Velho cocho centenário,

Símbolo xucro do rincão,

Relíquia de estimação

De meus antepassados,

Recuerdo que trago guardado

Na bruaca do coração!

............................................................................
  Autor: Antônio Francisco de Paula
Poesia enviada Por: Antônio Francisco de Paula - Brasília / DF
  Observações: A poesia COCHO DE CABRÍUVA, de autoria do poeta e declamador Antônio Francisco de Paula, está publicada no seu Livro Meu Avô, Meu Mestre: poesias gauchescas, e foi classificada em 2º lugar na modalidade Poesia Inédita, no ano de 2000, no 8º FEGARP-Festival Gaúcho de Arte e Tradição do Planalto Central, evento realizado na sede do CTG Sinuelo dos Gerais, da cidade de Luiz Eduardo Magalhães-BA.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document