Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Rodeio:
Deus Gaúcho, de Régis Marques

 

09/09/2006 20:28:58
CONTADOR DE CAUSOS - REVOLUÇÃO
............................................................................

Adenir Paz da Silva

A tropilha da existência
trouxe junto aquele velho,
sua idade era um mistério,
pra saber? - só adivinhando.
Le chamavam Valenciano,
índio curtido e campeiro,
que apesar dos seus janeiros
tinha ainda bom tutano.

Agachado à beira do fogo
com o olhar perdido no nada
Valenciano resmungava
coisas que ninguém entendia,
parece que se perdia
em sonho, de olhos abertos,
e quem estivesse por perto
tinha pena e até sorria.

Mas, em momentos de lucidez
buscava na sua memória
aquela carreta de histórias
que o tempo lhe havia confiado,
e num jeito de acanhado,
com voz calma e fala  mansa
escolhia uma, dentre tantas,
iniciando assim o seu relato:

Bem antes, parceiro, bem antes
de acabar com a monarquia,
o gaúcho já sabia
o que tinha de fazer,
ser livre ou então morrer
lutando e não se entregando
aos desmandos soberanos
desses donos do poder.

O Rio Grande foi República,
nos apartamos do Reinado,
foi guerra pra todo o lado,
iniciamos o levante
empurrando tudo por diante
com sonhos de Liberdade,
que pra falar a verdade
não ficou muito distante.

Num tempo que já não sei
estes campos sem colheitas
não empanturraram as carretas,
se perdeu a produção,
o gado sem marcação
extraviou-se campo a fora,
alegria foi embora,
calejou meu coração.

Ficou tudo abandonado,
estância virou tapera
não suportando a espera
de acabar tamanha briga.
Sinto um frio na barriga
de lembrar tanta judiaria,
morte, choro e gritaria...
Mas passou, é coisa antiga.

Depois de dez longos anos,
por fim se acabou a peleia.
Nunca vi coisa tão feia:
a indiada peleando no braço,
sentindo o arder do aço,
guerreando de peito aberto,
debochando da morte bem perto
à base de lança e dagaço.

Vou encurtar este causo, parceiro,
pois a memória me trai um pouco,
não pense que estou louco
pedindo pra acreditar
mas é que tive de falar
nesses fatos assucedidos,
pois trago lembranças comigo.
Fui Farrapo, estive lá..

E assim voltava o Valenciano
a olhar através do nada,
sorrindo ou dando risada
do causo que vinha contando.
Acabava se calando,
perdido em recordações,
fungava para negar  emoções,
confuso, triste e chorando.
............................................................................
  Autor: Adenir Paz da Silva
Poesia enviada Por: Adenir Paz da Silva - Brasília / DF
  Observações: Poesia do Livro TRIBUTO AO PAYADOR, do autor.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document