Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Rodeio:
Sina de Andejo, de Régis Marques

 

21/09/2006 12:48:13
CINCERRO
............................................................................

Antonio Francisco de Paula

 

Ah... cincerro de bronze

traste de mil andanças

campainha das estâncias

dos tempos de antigamente

herança de um passado

que trago comigo guardado

encravado dentro da mente.

 

Embretado na cidade

viajando no pensamento

te vejo preso num tento

no pescoço dependurado

de uma égua madrinheira

descambando a porteira

repicando o teu badalo.

 

Solfejando pela estrada

uma nota no compasso

duetando com os cascos

e o mugido da boiada

num sibilo de lamento

anunciando aos quatro ventos

o caminho da charqueada.

 

Tilintando pelas trilhas

por clareiras e picadas

ecoando nas canhadas

e nos fundões dos potreiros

se mesclando campo afora

com o tinido das esporas

dos birivas tropeiros.

 

Vagueando nas restingas

nas cabeceiras dos valos

ressoando nos atalhos

nas beiradas dos capões

numa marcha cadenciada

conduzindo a manada

e a comitiva de peões.

 

Matraqueando pelos cerros

nos retalhos de banhados

marcando o passo cansado

da tropa em desatino

entreverado nos bochinchos

de manotaços e relinchos

dos crinudos teatinos.

 

Solitário na ponteira

de sinuelo da tropilha

retumbando nas coxilhas

o teu canto milongueiro

entre meio o bate patas

e o rangido das bruacas

no lombo dos cargueiros.

 

Velho chocalho cigano

miniatura de sino

tareco campesino

dos tempos coloniais

sineta das lembranças

da minha querida infância

que não volta nunca mais!

............................................................................
  Autor: Antônio Francisco de Paula
Poesia enviada Por: Antônio Francisco de Paula - Brasília / DF
  Observações: Poesia do Livro MEU AVÔ, MEU MESTRE - Poesias Gauchescas, do autor.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
24/01/2008 07:44:02 Victor Alexandre Capella Rocha de Souza. - São José dos Pinhais / PR - Brasil
Linda poesia! Emociona a gente! Fica ainda melhor de ler em voz alta. Guardei e pretendo mostrar ao meu Pai. Gaúcho que me ensinou a viver e aguentar o repuxo dessa vida de cabeça erguida. Hoje velho e saudoso das coisas de outrora daquelas paragens campeiras que guarda na memória.
Sítio: *****
Untitled Document