Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Rodeio:
Deus Gaúcho, de Régis Marques

 

30/09/2006 16:25:16
VOU VIVER NO CHINAREDO
............................................................................
Resolvi, assim, de repente
Voltar para o rancho mais cedo.
Fiz um tanto de alambrado,
Ombreei na estiva o bastante
Pois o que cansa um gigante
Me fez ficar mui cansado.

Era cedo para a folga, 
O sol, ainda, era alto.
Tomei um banho de sanga,
Apetrechei o tordilho,
No rumo peguei o trilho 
E me atirei pras pitangas.

Não estava com muita pressa
Mas eu queria chegar.
Saudade tinha da prenda,
Chinoca de muito talento
E, aqui no meu pensamento,
A mais linda da fazenda.

Devagar eu fui chegando
Cansado mas bem disposto
Pois que estava enamorado
Da piguancha mui faceira
Sem saber que a caborteira
Há muito havia bandeado.

A peonada já sabia
E me olha de soslaio.
Eu que nem desconfiava,
Já com as guampas bem crescidas
Vivia feliz da vida
Pois o amor me cegava.

Ao chegar naquela tarde
Alguém me fez um cochicho:
Abre teu olho, vivente!
Chega bem devagarinho,
Vá pisando de mansinho
Mas não bata pela frente.

Abri a porta dos fundos,
Devagar, sem alarido.
Nunca imaginei; capaz
Que a prenda que eu amava
Agora se enrodilhava
Nos braços do capataz.

Nunca fui de estrepolia,
Eu sou calmo por demais.
Mas, naquela triste tarde
Agarrei meu marca touro 
E saí fazendo estouro
Pra não passar por covarde.

Sou peão, tu és capataz, 
Eu respeito a hierarquia,
Eu disse para o carancho
Mas acabei com a fuzarca.
Meti-lhe a minha marca 
E botei pra fora do rancho.

E a chinoca chorona
Se fingia de inocente. 
Peguei meu facão três lista
Cortei-lhe a trança e pus fora
E disse: Te manda embora,
Te arranca da minha vista.

Botei fora os tarecos,
Prendi fogo nos pelegos
E fui embora da fazenda.
Me amaziei com o putedo
E vou viver no chinaredo
Até encontrar outra prenda!
............................................................................
  Autor: Dilson Gimba
Poesia enviada Por: Dilson Gimba - Viamão / RS
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
13/05/2010 20:52:07 antonio - curitiba / PR - Brasil
A poesia gaúcha vem de dentro da alma do poeta vivente, que quando escreve sente a realidade de um sentimento puro e bem chucro, que envolve os casos, a vida, a natureza dos pampas sagrados, onde a tradição preserva a honra e a coragem, juntamente com as lembranças dos antepassados.
Sítio: *****
09/09/2009 16:32:06 Bombacha Larga - Brasília / DF - Brasil
Este espaço cultural tradicionalista esclarece a todos os seus visitantes que, propositalmente, nem tudo o que aqui é publicado trata de temas tradicionalistas, uma vez que a Tradição dos Gaúchos Campeiros do Rio Grande do Sul é aquela formada, necessariamente, pela moral e pelos bons costumes antigos dos interioranos do Rio Grande: os Campeiros do Sul do Brasil. Portanto, tanto a poesia “Vou viver no chinaredo”, de Dilson Gimba, como as músicas não gauchescas, como por exemplo a “Fandango no Texas”, da “Banda” Tchê Garotos, que toca na matéria do dia 27.02.2008, e outras músicas “nativistas”, “regionalistas’, “gauchistas”, “sul-rio-grandenses”, “comerciais”, mas que não são parte da Música Regionalista-tradicional Gaúcha do Rio Grande do Sul, aqui estão publicadas para suscitar a necessária polêmica e, dessa forma, melhor informar os leitores a respeito do que venha a ser Tradição Gaúcha do Rio Grande do Sul e quanto ao que pode ou não fazer parte do MTG Brasileiro; da mesma forma, as imagens de peões com lencito floriado, preto; bombachita estreita e com alças no cós; chapéu chaparral, branco, country; camisas vermelhas, pretas, azulão, verdão, amarelão; "rastras" platinas ou cintas; coletes texanos; assim as prendas de bombacha, quando não participantes de alguma prova campeira; tudo isso está postado aqui não porque faça parte da Tradição dos Gaúchos Campeiros do Rio Grande do Sul, ou porque deva ser vivenciado dentro do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro, mas com o único fim cultural tradicionalista de promover junto aos nossos visitantes uma análise crítica, despertando-lhes a capacidade de comparar tais incoerências regionalistas e impropriedades tradicionalistas com a Filosofia do MTG Brasileiro, trazida na sua Carta de Princípios, e nos seus diversos regulamentos e diretrizes culturais tradicionalistas. Portanto, apesar de publicadas neste sítio, nem esta poesia nem a Bochincho, de Jayme Caetano Braun, postada aos 30.11.2005 e arquivada neste sítio, podem ser consideradas como temas tradicionalistas, pois como muitas composições poéticas e musicais elas não tratam da autêntica Tradição dos Gaúchos Campeiros do Rio Grande, uma vez que desvinculadas estão da moral e dos bons costumes tradicionais da família gaúcha interiorana sul-rio-grandense, base de toda a verdadeira Tradição dos Gaúchos Campeiros do Rio Grande do Sul. Esta é a forma didática que este sítio tradicionalista tem usado desde a sua criação, pois todos nós podemos e devemos aprender, também, com os nossos próprios erros! Saudações Tradicionalistas e um quebra-costelas cinchado a todos os prezados visitantes do Bombacha Larga: na luta pela preservação das autênticas Tradições do Povo Gaúcho Sul-brasileiro!
Sítio: http://www.bombachalarga.org
09/11/2007 13:53:36 Dilson Gimba - Viamão / RS - Brasil
Caro Antonio Moraes. Não tô loco, não, vivente! E não me venha com falças MORAIS, certo Seu MORAES? Garanto que para a Rede Globo tu não mandaste nenhum lembrete para eles não colocarem pornografia nas novelas das 20 horas e assim mesmo tu deixas teus filhos verem as novelas ou tu desligas a TV neste horário. Aliás, a liberdade de expressão, pelo que me consta, está vigorando, ainda na imprensa, eu escrevo o que eu quero e tu e teus filhos lêem o que querem. Eu não fui obrigá-los a lerem minha poesia. Além do mais, a expressão artística é livre assim como sua interpretação. Bem colocado, o "chulo" muitas vezes torna-se o "belo". Bueno, não vou ficar aqui me explicando demais porque já vi que tu não entende nada de arte. Ah! Só mais uma coisa, já quebraste o CD dos MAMONAS ASSASSINAS que deste para os teus filhos? Um forte quebra costelas e te aquieta, índio véio!!!
Sítio: *****
24/07/2007 21:29:56 Antonio Moraes - Brasilia / DF - Brasil
Tu tá loco vivente??/ isso é Poesia pra se colocar na internet??? Se tu amazeia o putedo o problema é teu, mas os meus filho não tem a obrigação de ficar lendo bobageiras, vê se tira essa porcaria daí.
Sítio: *****
Untitled Document