Usuário:
 
  Senha:
 
 

Baitaca:
No meio dos Quatro Ventos

 

21/11/2006 15:45:27
NOITE DE GEADA
............................................................................
A noite ronda a querência,
Prenúncio de vento e geada
E a tarde que fez morada
Num pôr de sol colorado
Reponta um lote de gado
Que corta a invernada ao meio
No instinto primitivo
De vir dormir no rodeio.

Até os cuscos do rancho
Se misturam com a peonada
Que guapeiam a noite braba
Tentiando o fogo de chão
A cuia de mão em mão
Num gesto rude e fraterno
Aquece o peito gaudério
No tempo brabo de inverno.

Um potro junto ao galpão
Relincha como sabendo
Que o dia que está morrendo
No poncho da noite negra
É outra manhã que chega
Com rodeio e camperiada
Na lida bruta do campo
E patas quebrando geada.

O minuano debochado
Por entre as frestas assobia
E esta xucra melodia
Inspira versos e rimas
Atira cinza pra cima
Neste bailado sem fim
Revirando os picumãs
Agarrados no capim.

Num repente uma cordeona
Acorda o galpão inteiro
No improviso do gaiteiro
O verso abre a cancela
E o timbre forte da goela
Quebra o silêncio e a calma
Dizendo coisas bonitas
Que brotam dentro da alma.

Mais tarde nas horas mortas
Reina o silêncio nas casas
E o angico vira brasas
No borralho fumacento
A noite num passo lento
Até parece que parou
Pra enxugar o pranto de geada
Que a madrugada chorou.

Assim que clareia o dia
Fogo aceso, mate recém cevado
Eu me paro emocionado
Diante de tanta beleza
E vejo a mãe natureza
Nos mostrar do que é capaz
Que a geada é a bandeira branca
Do campo pedindo paz!
............................................................................
  Autor: Jorge Lima
Poesia enviada Por: Jorge Lima - São Miguel das Missões / RS
  Observações: Poesia do Livro ESSÊNCIA NATIVA, do autor. * Agradecemos ao poeta Jorge Lima pela remessa de mais uma das suas excelentes poesias gauchescas. Muito grato, Xiru Velho!

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
28/06/2011 18:38:48 Mirele - Bossoroca / RS - Brasil
Parabéns pela linda e real descrição do nosso frio gaúcho.
Sítio: *****
12/06/2009 20:31:41 Maximo Enio da Silva - Dois Irmãos / RS - Brasil
Estava procurando uma poesia que preenchesse tudo o que eu precisava saber e dizer em versos, sobre o frio do Rio Grande. Parabéns ao poeta pela mensagem em verso.
Sítio: *****
22/02/2009 09:52:48 adauto mastella basso - cruz alta / RS - Brasil
Parabéns! Tenho a dizer: maravilha de poesia! Tb sou gaúcho da cepa, por 40 anos radialista com programas gauchescos. Hoje apenas escrevo uma coluna no nosso jornal, pois em virtude de uma traqueostomia fiquei com voz apagada, mas me sinto feliz e ainda participo de cavalgadas e tudo relacionado a nosso tradicionalismo. Apresentei por 20 anos os desfile farroupilha, tertúlias da Coxilha Nativista. Sobre alguma poesia envia-me, pois a coloco em minha coluna dominical. DESDE JÁ MEU QUEBRA COSTELA. ADAUTO
Sítio: *****
12/02/2008 00:49:53 edna - pimenta bueno / RO - Brasil
O Sr. Manoel gostou muito!
Sítio: *****
Untitled Document