Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Bertussi:
A Volta do Tropeiro

 

18/12/2006 22:00:10
CAVALO MOURO
............................................................................

Antonio Francisco de Paula

 

Cavalo Mouro,

Lá na estância era estimado,

Andava todo empinado

Pelos pagos a fandanguear,

As chinocas debruçadas na janela

Ficavam de sentinela,

Só para ver nós dois passar.

 

Cavalo Mouro,

Pingo Bueno elegante,

De andar exuberante,

O mais lindo do rincão,

Pateavas bem apeirado,

Com peitoral prateado,

Enfeitando teu coração.

 

Cavalo Mouro,

Criado por um chiru

Na fazenda Caramuru

De Marinho Lopes de Paula,

Aguachado pelos pastos,

Pisoteando a crina nos cascos,

Enfezado feito um taura.

 

Cavalo Mouro,

Recordo os tempos de dantes

Quando íamos lá adiante

Na ponteira da boiada,

Trinta dias viajando,

Laçando boi e pealando,

Pelos campos e invernada.

 

Cavalo Mouro,

Não  esqueço aquele dia

No meio da pradaria,

Pra laçar aquele touro

Que se extraviou da boiada,

Numa tarde empoeirada

Quando houve aquele estouro.

 

Cavalo Mouro,

Já cansado e suado

Corria desesperado

Atrás do soberano,

Zebu preto caborteiro,

Berrava que nem terneiro,

Na chincha ficou bufando.

 

Cavalo Mouro,

Era sovado de garupa

Do leva e traz das marucas,

Nos bailes de ramada,

Aos domingos num trotito cadenciado

Me levava no povoado,

Pras rinhas e carreiradas.

 

Cavalo Mouro,

Ainda te vejo potrilho,

Cambaleando entre os trilhos,

Seguindo a égua tordilha,

Ventando e abanando o cacho,

Mamando feito um guaxo

Nas canhadas da coxilha.

 

Cavalo Mouro,

Quanto olho teu retrato pendurado,

O apeiro todo empoeirado,

Dá vontade de chorar,

O destino foi traiçoeiro,

Levou o meu companheiro,

Nunca mais pude laçar.

 

Cavalo Mouro,

Teu nome fica na história

Contada no dente da espora,

Nos versos deste peão,

Que um dia desfaleceu

Quando soube que morreu

Seu potro de estimação!

............................................................................
  Autor: Antônio Francisco de Paula
Poesia enviada Por: Antônio Francisco de Paula - Brasília / DF
  Observações: Poesia do Livro MEU AVÔ, MEU MESTRE: Poesias Gauchescas, do autor.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
28/04/2010 12:52:38 tiago - cascavel / PR - Brasil
É boa a poesia do senhor, muito boa!
Sítio: *****
28/02/2008 17:18:21 ederson da silva queiroz - Aquidauana / MS - Brasil
Esses versos são do meu gosto. Eles são demais. São do sistema bruto!
Sítio: http://ranchovitória
11/04/2007 22:56:33 cedalia bandeira - cerrito / RS - Brasil
de tao linda que achei esta poesia enchi os olhos de lagrimas e quase chorei, e dificil nos dias de hoje algo nos emocionar. Com certesa este poeme ficara guardado em minha memoria, parabens ao autor pelo belissimo txto eu tambem sou poeta e me encanta escrever, sou cedalia tenho 19 anos de idade e de paixao por versos.
Sítio: *****
Untitled Document